Maus Tratos

Polícia Civil abre inquérito para investigar possíveis maus tratos a animais em Barras

Repercute nas redes sociais que animais estariam sendo eletrocutados no Centro de Zoonoses

19/07/2021 19h23Atualizado há 6 dias
Por: Direto da Redação
Fonte: Visão Piauí
divulgação
divulgação

Após repercussão nas redes sociais, a Polícia Civil, através da Delegacia de Barras, publicou em sua rede social que irá investigar as denúncias de que animais estariam sofrendo maus tratos no Centro de Zoonoses administrado pela Prefeitura Municipal de Barras.

A notícia dos maus tratos se espalhou rapidamente após a publicação do site barrasenoticia.com.br e nas redes sociais de ONG's protetoras dos direitos dos animais.

Segundo noticiou o Barras é Notícia, os animais estariam sendo mantidos em cativeiro e depois seriam sacrificados com choque elétrico. No vídeo publicado pelo site, é possível perceber ferramentas que seriam para a execução desta ação.

 NOTA DA PREFEITURA DE BARRAS 

A direção do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) vem a público esclarecer que, no tocante ao controle do Calazar, o CCZ obedece a um protocolo legal que tem por objetivo evitar que cães que precisam ser sacrificados passem por sofrimentos.

 

A rotina inclui realização de teste rápido para o calazar. Este dando positivo, a equipe do CCZ juntamente com os agentes de endemias, submetem o cão a um exame mais específico: uma sorologia sanguínea, que é enviada ao LACEN. Dependendo do resultado - positivo ou negativo - o animal pode ser destinado a eutanásia.

 

No CCZ, a eutanásia é feita, com o animal previamente sedado, anestesiado, através da utilização do pré-anestésico Acepran. Depois com o anestésico Ketamina, composição esta que impossibilita o animal a sentir qualquer dor mínima, como também impede que o passe por sofrimento.

 

Nos casos de leishmaniose avançada, o sacrifício é inevitável porque, além dos cães, as pessoas podem ser contaminadas, ficar com sequelas graves e até morrer em decorrência da enfermidade. A propagação precisa ser evitada para a proteger a população.