TREVO e ALMEGA
CRIME ELEITORAL

PF cumpre 8 mandados em operação que investiga corrupção eleitoral em Barras

O nome da operação tem relação com a denominação dada aos grupos em que foram subdivididos os políticos e lideranças compradas

25/11/2020 08h39Atualizado há 2 meses
Por: Direto da Redação
Fonte: cidadeverde.com
DIVULGAÇÃO PF
DIVULGAÇÃO PF

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quarta-feira (25) a Operação "Democracia Pescada" com objetivo de dar cumprimento a oito mandados de busca e apreensão, sendo sete em endereços na cidade de Barras e um em endereço na cidade de Brasília (DF). A PF investigação corrupção eleitoral. 

Ao todo, 32 policiais participam da ação, que tem por objeto a apuração do teor de notícia-crime sobre um grupo político que teria comprado, para as eleições de 2020, o apoio de pré-candidatos e lideranças políticas da cidade. 

No contexto apresentado, os recursos utilizados poderiam ser usados para a prática do crime de corrupção eleitoral, dentre outros.

O nome da operação tem relação com a denominação dada aos grupos em que foram subdivididos os políticos e lideranças compradas, segundo a notícia-crime, o que foi feito conforme o peso do apoio político negociado e o respectivo valor da sua compra (peixes de couro, peixes nobres de escama e piabas do rabo seco).

 

ATUALIZADA 12:10 

O prefeito eleito  de Barras, Edilson Capote(PSD), se manifestou por meio de nota. Confira:

A coligação A Vitória que Vem do Povo (PSD/DC) vem a público informar que foi surpreendida pela presença de agentes da Polícia Federal em oito endereços de pessoas que compõem a coligação vitoriosa do candidato Edilson Sérvulo de Sousa, o Edilson Capote, prefeito eleito de Barras, além da irmã do prefeito, Ivanilda Sérvulo, e do irmão, empresário Wilson Sérvulo, que mora em Brasília-DF.

Edilson Capote declara que nada foi encontrado que comprometesse a lisura da campanha realizada pela coligação e que o fato da denúncia ter sido assinada pelo atual secretário de Cultura de Barras, João Germano Filho, denota o tom eleitoreiro.

O secretário de Cultura já foi condenado - em setembro deste ano - pela  Juiz da 6ª Zona Eleitoral/PI, Nauro Thomaz de Carvalho, por divulgar matérias com o intuito exclusivo de denegrir a imagem do Sr. Edílson Capote, fazendo afirmações agressivas e abstratas, desacompanhadas de maiores comprovações. A multa foi de R$ 5 mil.

O prefeito eleito de Barras, Edilson Capote, condenou ainda o espetáculo que os adversários quiseram proporcionar e disse ter certeza que é uma manobra dos inconformados com a derrota no intuitto exclusivo de atacar a família dos que foram eleitos pelo voto popular.Disse ainda ter certeza, que, se houvesse outra eleição em Barras, seria eleito novamente porque não são lideranças que querem o Capote, como diz a denúncia, mas o povo. "A grande maioria dos votos comprova isso.  Foram quase 4 mil votos de diferença entre os dois candidatos. "Por que não se conformam?”, questionou Edilson.

Edilson Capote teve 50,69% dos votos válidos contra 37,61% de Carlos Monte, candidato à  reeleição. Capote finaliza dizendo que acredita na lisura da investigação da Polícia Federal e acredita na Justiça. "Estamos tranquilos", completa.