TREVO e ALMEGA
Expulsão

Ex-prefeito que admitiu ‘roubar’ repercute nacionalmente e é expulso do partido

Decisão aconteceu um dia após o político ter admitido publicamente, durante uma convenção, que roubou ainda quando foi prefeito

09/09/2020 09h03
Por: Direto da Redação
Ex-prefeito que admitiu ‘roubar’ repercute nacionalmente e é expulso do partido
Ex-prefeito que admitiu ‘roubar’ repercute nacionalmente e é expulso do partido
 

O Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) expulsou dos seus quadros o ex-prefeito José Maria Monção, da cidade de Cocal, no Norte do Piauí. A expulsão ocorreu nesta terça-feira (8) e foi confirmada pelo presidente do partido no Piauí, o ex-senador João Vicente Claudino.

Segundo JVC, a expulsão de Monção foi uma decisão do Diretório Regional no Piauí.

Na segunda-feira (7), durante a convenção que homologou a candidatura de um aliado à prefeitura no município, Monção admitiu que roubou quando foi prefeito da cidade.

“Não é que o Cocal também seja o fim do mundo, mas passa a administração e todos padecem. Eu fui prefeito três vezes, eu sei o meu sofrimento, mas também não roubei o tanto que esse aí roubou não, está entendendo?”, disse fazendo referência ao atual prefeito da cidade.

O declaração do ex-prefeito repercutiu nacionalmente!

View this post on Instagram

QUEM ROUBA MAIS? Em convenção do MDB neste domingo (6) para oficializar a candidatura do médico Cristiano Britto para a Prefeitura de Cocal (226 km de Teresina), no Piauí, o ex-prefeito da cidade, José Maria Monção (PTB), comparou-se ao atual detentor do cargo, Rubens Vieira (PSDB), e disse ter roubado menos que ele. "Temos que mudar o Cocal. Não é que o Cocal seja o fim do mundo, mas com essa administração todos padecem. Fui prefeito três vezes, sei do sofrimento, mas também não roubei o tanto que esse aí roubou, não. Esse é descarado, tá afundando o Cocal", disse Monção. "Posso até ter tirado alguma coisa, dado para os pobres. Na verdade, ninguém pode ser tão sincero. Se eu tivesse feito tudo direito não tinha ido preso, né? Se eu fui preso tem algum motivo", disse Monção. "Mas político que rouba, rouba para dar para o povo. Difícil roubar para si. Agora esse aí [Rubens Vieira] roubou para ele. A maior mansão de Cocal é a dele. Quando ele começou na política, não tinha nem uma camionete velha", completou. Leia mais em folha.com/painel #folha #fsp #folhadespaulo

A post shared by Folha de S.Paulo (@folhadespaulo) on Sep 7, 2020 at 7:29pm PDT

Monção já foi preso duas vezes, em 2009 e em 2015. No discurso na convenção, ele ainda admitiu que não é tão direito assim e por isso foi preso nas duas ocasiões.

“Eu posso até ter tirado alguma coisa, dado pros pobres… que na verdade ninguém pode ser tão sincero. Se eu tivesse sido tão direito, eu não tinha sido preso, né. Se eu fui preso, tem um motivo”, disse o ex-gestor arrancando risos e até aplausos de outros políticos presentes.

Em Cocal, Monção apoia a candidatura do médico Cristiano Brito (MDB) para prefeito.

A fala do ex-gestor ganhou repercussão nacional, afinal, não é todo dia que um político admite ser ladrão publicamente. Envergonhado com a confissão pública de José Maria Monção, o PTB decidiu colocá-lo para fora. Se ele quiser continuar a roubar, que seja em outro partido.

Confira o vídeo!