TREVO e ALMEGA
Água contaminada

Morre sexto detento da Cadeia de Altos e Sejus espera laudo final

Há quatro dias não há registro de internações de novos presos infectados.

29/05/2020 16h56
Por: Direto da Redação
Morre sexto detento da Cadeia de Altos e Sejus espera laudo final
Morre sexto detento da Cadeia de Altos e Sejus espera laudo final
 

A Cadeia Pública de Altos registrou a sexta morte de detento por infecção com causa ainda não identificada. Adriano Paes da Silva foi o primeiro a ser internado com a doença no início do mês de maio e faleceu nesta quinta-feira (28), um dia após ele não se encontrar mais em custódia do estado. 

A família da vítima pede a realização de exame cadavérico para que a causa da morte possa ser identificada. De acordo com o advogado da família, Marcelo Pio,  sem o prontuário médico, que deve ser liberado pelo Hospital de Urgência de Teresina (HUT), não é possível realizar o exame cadavérico e descobrir as causas da doença. O detento não estava mais sobre a custódia do estado e estava internado desde o início do mês. 

“Ele foi o primeiro detento a ser internado com essa infecção. No dia 28 de abril eu fui procurado pela família que tinha participado de uma videoconferência com ele e constatado que estava em cadeiras de rodas. Tomamos as medidas cabíveis e foi revogada a prisão preventiva. Ele foi levado para o médico, um neurocirurgião, que sugeriu que ele estava com a síndrome de Guillain-Barré.  E fez encaminhamento para que  fosse internado no HUT. No dia 06 de miao deu entrada e de lá para cá o quadro só se agravou e ele faleceu ontem. Estamos tentando fazer o exame cadavérico. Não conseguimos. O HUT se nega a mandar a cópia do prontuário para o IML. Para fazer o exame, é preciso a cópia do prontuário”, afirmou o advogado.

O diretor da Assessoria Militar da Secretaria de Justiça do Piauí, Luís Pitombeira, afirma que há a suspeita de que a causa da infecção dos presos possa ser leptospirose. Segundo ele, a secretaria espera o laudo final para identificar a causa das mortes. Há  quatro dias não há registro de internações de novos presos infectados. 

“Medidas são tomadas de forma paralela.  A primeira determinação é tratar os presos que estão apresentando esses sintomas. Já temos alguns resultados. Por cota disso, já temos nove presos que já tiveram alta, alvará e prisão domiciliar.  Há mais de quatro dias não temos mais presos encaminhados para tratamento no hospital. Paralelo a esse trabalho de cuidado, trabalhamos as hipóteses das causas. Temos relatórios subscritor que indicam  leptospirose e hepatite. Além disso, trabalhamos para  identificar as formas de contaminação. Todos trabalho preventivo é realizado”, disse. 

A Defensoria Pública do Piauí pede a interdição parceia da cadeia de Altos.  A diretoria Criminal da Defensoria, Viviane Setúbal, diz que a situação é inaceitável. 

“A Defensoria acompanha todos os fatos desde o início e pede todas as informações à Secretaria de Justiça. Foi aberto um procedimento de apuração de dano coletivo, diligente, acompanhando todos os fatos. Queremos informar a população que é inadmissível que um problema dessa natureza ocorra dentro da unidade prisional. Não podemos transigir com os direitos dos internos. Um dos pedidos é esvaziar a unidade prisional. Apesar de algumas medidas, as mortes continuam. A situação é muito grave”, comentou. 

Barras - PI
Atualizado às 01h20
26°
Poucas nuvens Máxima: 34° - Mínima: 24°
27°

Sensação

8.2 km/h

Vento

68.8%

Umidade

Fonte: Climatempo
Popular novo
CENTRO MOVEIS
PEDE AI
Municípios
POSTO SANTA LUZIA
SANTA LUZIA
Últimas notícias
Excelência Contábil
Mais lidas
Cantinho da Pizza