Dano moral coletivo

Demissão sem pagamento de verbas rescisórias pode levar empresas a pagamento de multa por dano moral coletivo

Caso ocorram demissões dessa natureza, as empresas ficarão sujeitas ao pagamento da multa prevista no §8º art. 477 da CLT, equivalente a um salário do empregado.

19/05/2020 15h32
Por: Direto da Redação
Demissão sem pagamento de verbas rescisórias pode levar empresas a pagamento de multa por dano moral coletivo - Foto: Reprodução
Demissão sem pagamento de verbas rescisórias pode levar empresas a pagamento de multa por dano moral coletivo - Foto: Reprodução
 

O Ministério Público do Trabalho no Piauí (MPT-PI) emitiu nota esclarecendo sobre possíveis demissões de trabalhadores durante o estado de calamidade pública em decorrência da pandemia do novo coronavírus com base no artigo 486 da CLT. O MPT-PI adverte que a regra disciplinada, conhecida como “Teoria do Fato do Príncipe”, é aplicável quando a paralisação das atividades da empresa é motivada por ato de autoridade pública, entretanto, não transfere ao Poder Público (União, Estado e Municípios) a responsabilidade pelo pagamento de todas as verbas rescisórias dos empregados demitidos.

Esse argumento jurídico determina que o pagamento da “indenização”, atualmente equivalente à multa dos depósitos de FGTS, ficará a cargo do Poder Público que editou o ato motivador da paralisação do empreendimento, devendo o empregador pagar todas as demais parcelas que compõem as verbas rescisórias dos seus empregados.

No entendimento do MPT, demitir empregados sem o pagamento das verbas rescisórias é ilegal, ainda que se entenda aplicável o art. 486 da CLT. Caso ocorram demissões dessa natureza, as empresas ficarão sujeitas ao pagamento da multa prevista no §8º art. 477 da CLT, equivalente a um salário do empregado.

Vale ressaltar que a demissão de empregados com base no “Fato do Príncipe” não é objeto de ampla aceitação na jurisprudência trabalhista brasileira e sua aplicação pode ser questionável justamente no momento em que o país atravessa grande perturbação da normalidade, como o da pandemia do coronavírus.

Para evitar a utilização oportunista dessa modalidade de demissão e em desrespeito às regras a ela aplicáveis, o MPT-PI adotará as providências cabíveis contra as respectivas empresas. Se necessário, promoverá ação civil pública com pedido de indenização por dano moral coletivo. O Ministério Público considera perverso sujeitar o trabalhador ao desemprego sem o recebimento das verbas rescisórias, imprescindíveis para seu sustento e de sua família, no contexto de uma pandemia.

Para denunciar quaisquer irregularidades, os trabalhadores podem fazê-lo acessando o link https://peticionamento.prt22.mpt.mp.br/denuncia ou pelos canais de e-mail: [email protected]; telefone: (86) 4009-6400 (8h às 14h); e Whatsapp: (86) 99544- 7488 (8h às 14h).

Barras - PI
Atualizado às 00h40
26°
Poucas nuvens Máxima: 33° - Mínima: 24°
27°

Sensação

11.3 km/h

Vento

72.5%

Umidade

Fonte: Climatempo
CENTRO MOVEIS
Popular novo
Municípios
Últimas notícias
Excelência Contábil
Mais lidas
Cantinho da Pizza