TREVO e ALMEGA
Quadrilha

Preso com uma tonelada de droga iria comprar sítio no Piauí com esmeraldas

A Polícia Civil revelou nesta quinta-feira (12) que um dos integrantes da quadrilha que foi presa com uma tonelada de cocaína no começo da semana, tentou comprar um sítio em Teresina oferecendo esmeraldas

13/12/2019 08h33
Por:
Fonte: Cidade verde
Reprodução
Reprodução

A Polícia Civil revelou nesta quinta-feira (12) que um dos integrantes da quadrilha que foi presa com uma tonelada de cocaína no começo da semana, tentou comprar um sítio em Teresina oferecendo esmeraldas. O suspeito é João da Cruz Marques, piauiense que trabalhava em um garimpo no Pará.

“Ele disse em depoimento que ia dar uma parte em dinheiro e a outra parte em esmeraldas do garimpo dele, mas não foi aceito nem pela imobiliária e nem pela proprietária. Ficaram com medo, já que era uma coisa fora do rumo”, afirmou o delegado Cadena Junior, do Grupo de Repreensão ao Crime Organizado (GRECO).

De acordo com as investigações, João da Cruz Marques teria intermediado a locação dos imóveis para instalação do grupo em Teresina. A polícia desconfiou da ação da organização próxima ao aeroporto. 

Ao todo foram presos sete suspeitos. As prisões foram convertidas em preventivas nessa quarta-feira. “Todas as prisões foram convertidas em preventiva. Ninguém foi liberado. Todos já estão no presídio. Depois da audiência de custódia foram para o presídio”, disse o delegado.

Ainda segundo Cadena, as aeronaves que foram apreendidas na operação da polícia estão à disposição da justiça.

“O juiz é quem decide se vai fazer a alienação para ser vendido ou se vai dar o uso para o Estado, para a Segurança Pública”, explicou o delegado.

O helicóptero, segundo a polícia, tem registro no estado de São Paulo. 

Foram presos:

André Luís de Oliveira Cajé Ferreira - piloto de avião 

Alexandre Vagner Ferraz - piloto de avião 

Alexandro Vilela de Oliveira 

Vagner Farabote Leite - piloto de helicóptero 

Renato Solon Gondim Magalhães- piloto de avião 

João da Cruz Marques 

Alexandre Barros Pereira de Meneses.