Popular
São Paulo SP

Thammy Miranda deve assumir cargo de vereador em São Paulo

Uma dança das cadeiras na Câmara Municipal de São Paulo deve promover a chegada de uma figura conhecida do grande público ao corpo de vereadores do Legislativo paulistano.

04/01/2019 09h17
Por: Redação II
Fonte: Folha Press
Foto: Folha Press
Foto: Folha Press

Uma dança das cadeiras na Câmara Municipal de São Paulo deve promover a chegada de uma figura conhecida do grande público ao corpo de vereadores do Legislativo paulistano.

O ator Thammy Miranda, 36, que se candidatou pelo PP, recebeu 12.408 votos nas eleições de 2016 e ficou como suplente. Agora, com a saída de alguns vereadores, ele deve ocupar uma cadeira na Casa a partir de março.

As partidas de Conte Lopes (PP) e David Soares (DEM), eleitos para os cargos de deputado estadual e federal, respectivamente; a cassação de Camilo Cristófaro (PSB); e a manutenção do vereador Edson Aparecido (PSDB) no cargo de secretário municipal de Saúde, são os fatores que deverão levar Thammy, filho da cantora Gretchen, à Câmara Municipal. 

À época de sua candidatura, Thammy, que é transexual, recebeu críticas de representantes de diferentes grupos que defendem causas LGBT por ter escolhido participar das eleições pelo PP, partido que à época abrigava Jair Bolsonaro, que acabou lançando-se à presidência pelo PSL.

"Em um governo tão conservador venho eu assumir como vereador. Acho que Deus quer dizer algo com isso", disse Thammy à reportagem nesta quinta-feira (3), em referência ao agora presidente Bolsonaro.

"Não é possível que algum ser humano nessa terra, sabendo da minha luta, de tudo que eu venho tentando conquistar, o espaço que eu venho tentando conquistar e a minha luta para ser quem realmente eu sou, vai me vincular com um cara desses. A gente não tem nada a ver, as nossas opiniões são completamente divergentes, acho que não temos uma opinião que seja a mesma", disse Thammy sobre Bolsonaro à época, após não conseguir se eleger. O ator assumiu a coordenação de ala do partido chamada "PP-Diversidade".

Bolsonaro disse então, em entrevista ao jornal Extra, que gostava de Thammy porque ele conversava e não brigava. "Apesar de não nos alinharmos em algumas questões da causa LGBT, é uma pessoa aberta ao diálogo e isso que é importante. Na política temos que conviver com diferentes", afirmou.

No entanto, seu filho Eduardo Bolsonaro (PSL), agora deputado federal, ironizou a filiação de Thammy ao PP em suas redes sociais. "Será que rola dele [Jair Bolsonaro] criar o PP-Hétero? Ou seria homofobia?".

Entre as pautas defendidas por Thammy quando candidato estavam cotas universitárias e profissionais e atendimento humanizado no SUS para transexuais. Disse também que lutaria pela inclusão de discussões de gênero nas escolas públicas municipais.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.