Popular
Estupro

Criança de 11 anos sofre estupro coletivo e é encontrada nua na zona Norte

Uma menina de 11 anos de idade foi vítima de estupro coletivo na zona Norte de Teresina. O caso aconteceu na noite do último domingo (25) no Morro do Cuscuz, localizado na região da Santa Maria da Codipi.

30/11/2018 10h29Atualizado há 6 meses
Por: Redação II
Fonte: Cidade Verde
Reprodução
Reprodução

Uma menina de 11 anos de idade foi vítima de estupro coletivo na zona Norte de Teresina. O caso aconteceu na noite do último domingo (25) no Morro do Cuscuz, localizado na região da Santa Maria da Codipi. 

O caso foi denunciado à Polícia Civil pelo I Conselho Tutelar. A criança disse à conselheira tutelar Ana Amélia Menezes que estava na casa de uma amiga com dois rapazes “bastante conhecidos” quando um deles apareceu com um copo d’água. 

“Ela estava jogando sinuca por volta de 9h com uma colega e aí um deles, do nada, apareceu com uma água. Ela disse que quando bebeu sentiu um gosto amargo e não lembra de mais nada”, conta a conselheira. A suspeita é de que a menina tenha sido dopada.

A conselheira tutelar informou a Imprensa que por volta das 11h do domingo a menina foi achada descacordada por populares em um barreiro. A criança estava totalmente sem roupa e foi levada de moto para um hospital da região e só acordou lá. A equipe hospitalar acionou o Conselho Tutelar.

“Foi um estupro coletivo praticado por dois ou mais rapazes. Ela não parecia está traumatizada porque é uma criança que desde sempre foi totalmente negligenciada e não tem noção da violência que sofreu. É uma situação bastante delicada”, disse a conselheira tutelar.

O caso está sendo investigado pela DPCA. De acordo com o Conselho Tutelar até o momento ninguém foi preso, inclusive, a população está revoltada. 

“Fizemos Boletim da Ocorrência na Delegacia de Proteção a Criança e ao Adolescente. A vítima foi submetida a exames no Serviço de Atendimento a Vítimas de Violência Sexual e ingeriu coquetel de remédios para evitar doenças sexualmente transmissíveis”, informou a conselheira Ana Amélia. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.