Sábado, 17 de novembro de 2018
86 99570 3774 - Atual Sistema de Comunicação
Economia

25/10/2018 ás 09h54

Redação II

Barras / PI

Secretário diz que desafio para 2019 é tornar gestão mais eficiente
O secretário de Planejamento, Antônio Neto, disse que o grande desafio da gestão para 2019 é torná-la mais eficiente. O gestor fez referência ao orçamento geral do Estado que aguarda votação na Assembléia Legislativa.
Secretário diz que desafio para 2019 é tornar gestão mais eficiente
Reprodução Cidade Verde

O secretário de Planejamento, Antônio Neto, disse que o grande desafio da gestão para 2019 é torná-la mais eficiente. O gestor fez referência ao orçamento geral do Estado que aguarda votação na Assembléia Legislativa. A receita prevista para o próximo ano é mais de R$ 13 bilhões. 


"O desafio é fazer gestão mais eficiente [...] usá-lo de maneira muito mais eficiente para atender o conjunto de demandas. Fazer o orçamento é um desafio muito grande. O estado é muito carente, pobre, que depende muito do governo do estado. Então temos que pensar em todas as áreas, não deixar nenhuma área sem recurso assegurado, mesmo que seja um pouco menor, mas tem tem que ter pra gente manter as estruturas funcionando", disse o secretário em entrevista ao Notícia da Manhã, desta quinta-feira (25).


Antônio Neto diz que o orçamento  2019 foi elaborado com base em uma "nova fórmula" de forma equitativo, democrático, participativo com o intuito de contemplar os 12 territórios de desenvolvimento do Piauí. 


"O orçamento de 2019 foi muito bem estruturado. A gente pode considerar que o ano de 2019 terá uma mudança de paradigma na forma de elaboração do orçamento. Tínhamos uma cultura de fazer um orçamento, pensando de uma maneira isolada cada órgão. Agora nós o estruturamos com uma visão efetivamente territorial", explica Neto. 


Do ponto de vista financeiro, o secretário frisa que o orçamento ainda se "ressente das dificuldades econômicas".


"A previsão de receita para esse ano foi em torno de R$ 13 bilhões. Quando se retira o repasse para os municípios, Fundeb, o fundo de Previdência e outros, o que fica como receita corrente líquida é em torno de 8.4 bilhões. É com esse volume de recursos que a gente faz a repactuação, distribuição para os poderes e a distribuição das cotas de cada um dos órgãos das secretarias. Isso significa um crescimento um pouco acima da inflação de 7% é relação ao ano passado. É muito pequeno, mas já é alguma coisa", disse o gestor.


Bloqueio de R$ 48 milhões


Antônio Neto também comentou sobre o bloqueio R$ 48 milhões das contas do governo. Ele acredita que até a próxima semana haja uma solução. Ontem (24), o governador Wellington Dias (PT) afirmou que o estado não tem condições de arcar com o valor milionário bloqueado para o pagamento dos precatórios. 


"Isso impactou no repasse para aos municípios que não têm nada a ver e não podem ser penalizados. Essa semana vai haver uma reunião na nossa área jurídica para se tentar um entendimento, um acordo. Acredito que vai haver um acordo [...] acho que no máximo até a próxima semana será encontrado uma solução para esse problema", disse o secretário.


 

 

FONTE: Cidade verde

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Sem foto

Visão Política

Blog/coluna Análise sobre a política local, estadual e nacional.
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium