Terça, 22 de maio de 2018
86 99570 3774 - Atual Sistema de Comunicação CNPJ 17.061.655/0001-72

24º

Min 22º Max 27º

Nublado

Barras - PI

às 20:41
Cultura

15/03/2018 ás 11h25 - atualizada em 15/03/2018 ás 16h48

Redação II

Barras / PI

Barras PI - amor que vai do coração ao vate da mente
Uma cidade que inventa e se reinventa na eterna poeira do tempo.
Barras PI - amor que vai do coração ao vate da mente
ilha dos amore ao fundo
 

Busco, examino no vate da mente, palavras, vocábulos, termos técnicos outros eruditos, mas nada com ser fiel a si mesmo, sendo assim homenagear Barras e suas estórias, estórias de uma gente criativa, intelectual e acima de tudo, um povo humilde, de uma simplicidade enraizada no solo fértil dos teus rios amantes mesopotâmicos.
 
Oh! Minha terra de marataoã, terra dos poetas e intelectuais que vagueiam pelas sombras urbanas de tuas ruas de paralelepípedos, ruas calmas, ruas mornas, na busca suprema das inspirações de tuas estrofes e versos do teu conjunto arquitetônico do centro histórico.  Exaltar-te é olhar a poeira do tempo que nem mesmo o tempo pausa, mas escuta-te pelos pés de conversas nas manhãs pelo centro comercial, com pernas no vai e vêm, dos verdadeiros alaridos de cacofonia ondulantes das muitas vozes.
 
Vozes estas, tão roucas, suaves vozes, vozes graves, vozes veludas, ás vezes vozes ríspidas que no suor morno das praças, difama a alegria da vida, nas surpresas cotidianas dos que muitos se amam, se enamoram, da alegria dos que chegam, dos muitos que permanecem, dos que partem para o eterno, mas não exclui a tristeza do pensar daqueles que se fazem morada no campo santo são José, e eternizam-se na memória fatigada, memória cansada dos que tens fieis e contritas recordações pelo que foram e vivem nos corações dos entes queridos.
 
É assim o amor por Barras, um amor indescritível que nem o tempo apaga ou afasta. O termômetro do dia é a mídia operante, pujante das rodas inocentes, rodas de outrora hilária, maliciosa das muitas línguas, línguas latinas, ou hebraicas que elogia que difamam no disse me disse das esquinas, os fatos tão típicos, corriqueiros, tão populares, tão cotidianos e acima de tudo, tão reais, de uma cidade que dorme política, respira festas e acorda na religiosidade. Também dos que vivem a blasfêmia, dos que sobem e descem no revés do poder na Casa Rosada, mas que intensamente a secularidade que o calor do tempo não desfaz e assim perpetua.
 
Os teus verdes campos são carpie diem, é sombra nos arvoredos que sombreiam o presente mergulhado nos cabelos das carnaúbas a desfolhar, como leques a brisa dos fins de tardes á beira do marataoã, seja pelo voo rasante das raçanãs ou até mesmo na passarada a deliciar o sol poente que descerra e descortina a majestosa noite que refletida nas caudalosas ondas marolinhas prateadas do leito corrediço e dormente.
 
O badalar dos acólitos no alto da igreja na matriz do centro, mais é um convite para as preces á mãe santa dos barrenses, um convite às crenças maçônicas, aos dogmas e doutrinas que uni o povo evangélico ao Deus dos céus, Deus dos espíritas, Deus que abençoa o candomblé de uma terra que uni em um único e só útero, os filhos gêmeos que te amam na fé, que te veneram e que te idolatra terra mãe, terra de todos. Nas noites barrenses, o frio delas é arremetido ás suas quitandas, bares ou pés de bodegas, que aquecem no álcool quente da vodka e esfria na cerveja gelada que se espalha pela praça da matriz, pela monsenhor Bozon, e que a utopia dos  que vão dormir, são visões oníricas do sono no eterno e efêmero devaneio.
 
No entanto, tem o mesmo valor que a liberdade que nos anseia de dias melhores, dias futuros. Cada barrense sonha e tem a certeza no vate da mente, que tudo são orgulhos, são loucuras na terra abençoada de marataoã. Que me desculpe Homero, mas nossos leitores, nosso povo amam nossa literatura, os nossos poetas são mais do que um poeta no mundo barrense, são nossos homens e mulheres são de mero e prepotente luxo literário. Se rasga arrogantemente no tempo, nas folhas brancas do presente, presente que sonha com o progresso, e com os dias melhores que virão.
 
Barras é moda de quadrilhas juninas, nas dança das cores alegres das festas juninas. Barras suaviza a antítese teológica das festas. Barras é carnaval, é carne, é samba, é amor a cultura. Barras vive de homens e mulheres. Barras sempre será de homens e mulheres. Barras é dos homens e mulheres que tem juízo, senso crítico, poder de resistência que desde que Barras é Barras, nas alcovas da liberdade de expressão cogitam as ideias, cogitam o pensamento, cogitam a revolução e a liberdade, pelo compromisso social de uma juventude que vive sua fama.
 
Nem sangue de poeta ou alma virgem, mas a barra avermelhada do dia, o talismã oiro das réstias de sol barrense a dar as boas vindas na manhã que nos maravilha. O canto dos pássaros vibra nas músicas, nos dobrados da Lira Barrense, em harmonias igualam o som metálico de um grito entalado na garganta de um povo guerreiro que na labuta diária sobrevive às intempéries do tempo na alvorada que começa. O sol barrense a degolar a força motriz que conduz a cidade. E os barrenses ousam, murmuram a infâmia régia dos que neutralizam os sonhos, matam as esperança, na certeza que as nódoas do passado não se repita no futuro.
 
Barras é uma vida, uma grande vida, uma vida que cisma a glória dos teus filhos que te amam. Na glória da cidade de marataoã a faceirice de tua fama, de tu cidade oponente nos morros circundados e serpenteados pelo marataoã teimoso, na figura esbelta de uma cortesia de ressupino e macilenta do longá entre pedras e pedregulhos. Faltam-nos palavras para descrever ao meio dia o sol a cair lentamente. No fim de tarde a cair bem reclinado, bem vagaroso, que madornando o poente a roncar o tédio do entardecer. É sol rubicundo a dormir bem, e a regalar a lua, um anjo inebriante na noite barrense a refugar a glória do sol episcopal.
 
Portanto, Barras é de orgulho, é cidade que na resistência ao tempo, a dar estalos de um progresso que anseia, que busca no estupro do ar, o desenvolvimento. E assim, nossa gente dorme friamente, uns na tribo dos boêmios intelectuais, outros na periferia dos bairros e juntos forma a eterna terra dos governadores! A terra de marataoã, a terra de todos que sonham com novos tempos, com novos rumos. Não há tanto lugar para se amar, há um só, nossa Barras e sua gente! Barras que nos saboreia com o progresso tão almejado.

FONTE: Redação

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium